Um olho no ultrassom… e outro na balança!

Tanto o excesso de peso, quanto o ganho abaixo do recomendado ao longo da gestação, aumentam as chances da criança se tornar obesa

O controle do ganho de peso na gravidez é fundamental para prevenir inúmeras doenças na gestante, do diabetes gestacional à hipertensão. Nos últimos anos, entretanto, diversas pesquisas têm demonstrado que a obesidade durante a gestação pode aumentar ainda os riscos da criança desenvolver a mesma doença no futuro. Um estudo feito pela organização Kaiser Permanente (EUA), por exemplo, demonstra que engordar além ou menos do que o recomendado também aumenta a chance de sobrepeso ou obesidade para a criança já na primeira infância. De acordo com a pesquisa, mulheres que engravidaram com o índice de massa corporal normal (IMC) e ganharam menos peso do que deveriam, teriam 63% mais chance de ter um filho com sobrepeso ou obeso entre 2 e 5 anos de idade. Já entre aquelas de IMC normal que engordaram em excesso, o índice é de 80%.

Segundo os pesquisadores que lideraram o estudo, a associação encontrada entre mulheres de peso adequado que ganharam peso a mais ou a menos durante a gestação sugere que, provavelmente, o impacto do ganho de peso nesse período na vida da criança vai além dos fatores genéticos. A possível explicação por trás do processo, segundo os cientistas, seria a influência que o ganho de peso teria nos mecanismos que interferem no metabolismo dos filhos, incluindo o controle do apetite e o gasto de energia. “Pesquisas desse tipo servem para mostrar às gestantes que os cuidados com a saúde na gravidez vão marcar a vida da criança como um todo”, alerta a nutricionista Daniela Couto.

Como controlar o peso

Quanto a mulher pode engordar, afinal, na gravidez? Varia muito e depende, principalmente, do IMC dela ao engravidar. A média é de 9 a 15 quilos. Mas o cálculo individual deve ser feito por um obstetra, de preferência, com a ajuda de um nutricionista. A professora universitária Aline Bonna está no oitavo mês de gestação e até o momento engordou 10 quilos. A expectativa é que até o nascimento de sua filha ela ainda ganhe mais dois ou três quilos. Segundo Aline, os planos de controle de peso foram muitos, mas a prática bem diferente. “Então busquei intercalar frutas, leite e cereais entre as refeições com mais carboidratos e também nos ataques noturnos de fome”, comenta.

A bancária Rachel Dias Madureira, já no nono mês de gestação, também afirma não ter sido fácil seguir uma dieta equilibrada para manter o peso na gravidez. “Logo quando descobri que estava grávida, marquei uma consulta com nutricionista. E há dias em que comer uma fatia de pão integral é maravilhoso, mas há dias que não dá nem pra sentir o cheiro”, diz. Apesar de não ter conseguido encaixar atividades físicas em sua agenda, Rachel está satisfeita por ter engordado dentro da meta estabelecida para ela por sua obstetra: 14 quilos. “O Davi chega em breve e espero não engordar mais até lá!”, enfatiza a futura mamãe, consciente da importância do controle do peso na gestação para garantir um bom parto, como também para o desenvolvimento da criança em seus primeiros anos de vida.

One thought on “Um olho no ultrassom… e outro na balança!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.