ARTE COMO AGENTE DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

No Aglomerado da Serra, localizado na zona centro-sul da capital mineira e considerada a segunda maior favela do Brasil, mais precisamente na Vila Novo São Lucas, está um tímido, mas promissor, espaço de promoção da educação por meio da arte.

Na Rua Doutor Argemiro Resende Costa, um pouco acima dos prédios do Programa Vila Viva, entre a rotina do tráfico de drogas e o comércio, localiza-se o Centro Cultural Lá da Favelinha. A organização independente e sem fins lucrativos é fruto de uma oficina de MCs ministrada por Kdu dos Anjos, artista local e fundador do espaço.

Hoje são ofertadas, gratuitamente, várias aulas para os moradores, como Ritmo e Poesia, Canto, Inglês, Espanhol, Capoeira, Comunicação, Ballet, Artesanato, Passinho, Corpo e Movimento, Danças Urbanas, Violão e Stencil. Além disso, há uma biblioteca comunitária com acervo de mais de dois mil livros que são emprestados na base da confiança, sem nenhum tipo de cadastro.

Muitos talentos já foram revelados pelo projeto e os eventos “Rap da Favelinha”, “Favelinha Fashion Week”, “Disputa Nervosa” e “Sarau da Favelinha” já entraram para a programação cultural de Belo Horizonte.

Sem apoio governamental ou de iniciativas privadas, todo o trabalho é feito de forma colaborativa, com profissionais que doam seu tempo e compartilham seus saberes. E, para manter o Centro Cultural aberto, há uma campanha de financiamento recorrente pelo www.evoecultural.com/ladafavelinha.

Saiba mais sobre o projeto visitando a página @oficinaladafavelinha no Facebook e o perfil @ladafavelinha no Instagram.